Quinta, 20 de julho de 2017
Logo

Acesso ao Painel

cadastre-se | esqueci minha senha

  • Leitura
    A A
  • Imprimir
  • Indique nosso site

Sindrome do Canal de Guyon

Dentre as causas compressivas que causam dor e parestesia de MMSS (membros superiores) devemos citar aquelas que acometem o nervo ulnar.

Em 1908 Dr. Hunt descreveu um caso de paralisia do nervo ulnar secundária à compressão deste nervo na face lateral do punho, em sede anatômica conhecida como Canal de Guyon.

A Compressão do Nervo Ulnar ao nível do Canal de Guyon é uma alteração pouco descrita na literatura. Ela ocorre por inúmeros fatores podendo, entre eles, serem citados os cistos sinoviais de punho, os macro traumatismos de punho, as fraturas de ossos da mão (osso ganchoso), a fratura do 1/3 distal do rádio e os micro traumatismos de repetição.

Por ser o Canal de Guyon anatomicamente um canal situado na face lateral interna do punho, a compressão decorrente desta alterações acometerá a região da mão inervada pelo nervo ulnar (4º e 5º dedos).

A sintomatologia decorrente da compressão do nervo ulnar é variável, podendo levar à sintomas sensitivos, motores ou à combinação de ambos, dependendo da sede da lesão. A sensação de dor, dormência no 4º e 5º dedos e por vezes, de choque nos locais inervados pelo nervo ulnar, são as causas que fazem com que os pacientes procurem os especialistas, na tentativa de obter alívio destas sensações.

Por ser uma síndrome compressiva, a confirmação diagnóstica é feita através da Eletroneuromiografia (ENMG), onde a presença de achados como retardo da condução, diminuição do tempo de latência e diminuição da amplitude de onda confirmará a compressão do nervo ulnar.

Uma vez verificada a compressão, o tratamento básico é cirúrgico e consiste na descompressão do nervo.

Diagnósticos feitos em fase inicial da doença não deixam seqüelas, permitindo o retorno do paciente a uma vida normal e sem limitação.

A Síndrome do Canal de Guyon raramente é de origem profissional, sendo uma patologia auto limitada e de fácil tratamento.

Dr. Antonio Carlos Novaes (Reumatologista)
Especialista em Reumatologia e Medicina do Trabalho